Total de visualizações de página

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Da Misericórdia


Tanto no Oriente quanto no Ocidente, existem vários caminhos que levam ao conhecimento confrontante de si mesmo com a verdade. Quanto mais o homem conhece a realidade e o mundo, tanto mais passa a conhecer-se a si mesmo, reconhecendo os sentidos e percebendo que é passível de conhecimento posto que entende ser parte integrante do todo, ainda que seja uma unidade discreta, única.
Em Delfos, a escritura “Conhece-te a ti mesmo [e conhecerás o segredo dos deuses e do cosmo]” é a premissa fundamental para quem almeja compreender o sentido da própria existência: no primeiro momento, percebe-se em quanto SER e, em seguida, reconhece-se enquanto ser HUMANO, dotado de características pertinentes desenvolvidas e outras inatas.
Reconhecendo essas características, percebemo-nos reféns de questionamentos que vêm à tona à medida que alcançamos à plenitude de nosso desenvolvimento, já no próprio caminho percorrido. Tentamos entender “quem somos?” ou “para que viemos?”, “O que virá após mim?”, “Por que o mal existe?” ou... “Onde está Deus?”, “Será que Ele existe?”. A Bíblia é um caminho capaz de responder a todas elas, posto que, além de ser um analecto de textos históricos, doutrinários, contém o maior acervo sobre o auto-conhecimento e o conhecimento responsável de Deus.
É preciso compreender-se enquanto ser infinitamente limitado e ilimitadamente curioso. É preciso contemplar o divino a partir do que se é possível compreender em nossas limitações. Perceber que nossos limites não são simplesmente imposições naturais, mas verdadeira oportunidade de contemplação do que é eternamente iminente e absoluto, extraordinário e inefável, passível de ser admirado por sua totalidade em existir, mesmo que não tenhamos a pura competência para fazê-lo de maneira digna.
É pela dignidade que não possuímos, que entendemos o que aqueles que reconhecem a Revelação [divina] e a certeza de um ser Único e inquestionavelmente superior é a essencialidade para que concorrem todas as coisas. Apesar de ser um pensamento Aristotélico, aperfeiçoado por São Tomás de Aquino e reforçado pelo Papa João Paulo II, a sabedoria dos escritos bíblicos nos revela todas essas informações, explicando implicitamente a origem natural de tantos questionamentos, dessa interminável busca por respostas de perguntas diversas e intermináveis.
Santo Ambrósio foi capaz de resumir o que precede, intercede e sucede esses aforismas da vida reflexiva numa resposta objetiva, simples e perfeita sobre o que buscava Agostinho, antes de sua conversão:  “A verdade não está num livro; a verdade é uma pessoa: Jesus”. O surgimento de um pensamento absoluto e concretamente definitivo, permite-nos alcançar uma compreensão irrisória, por ser absoluta e controversa, mas que é pertinente; absurda, em primeiro contato, mas verdadeiramente pura e conclusiva, ao cerne do ápice de entendimento. Jesus, diferentemente de TODOS os homens, de maneira única e perspicaz, contrária ao comportamento comum de toda a humanidade, fez com que a verdade passasse a ter um sentido para além do denotativo e alcançasse, deveras, cunho próprio, vivífico, carnal, comportamental, divinamente humano, real e perceptível por todos os sentidos corpóreos.
É com a certeza de um exemplo, dos tanto deixados pelo verdadeiro primogênito de Deus-Pai, que se alcança a compreensão de existência de humanidade, mesmo advinda daquele que era, que é e que sempre será, feita pelo Mestre dos mestres, capaz de contradizer qualquer teoria ou preceito puramente científico. Ele, Senhor dos senhores, Rei dos reis, Alfa e Ômega, a maior inteligência que já existiu, trouxe à Terra toda a possibilidade de compreensão comportamental humana, desde pequenos princípios éticos até às mais sublimes demonstrações de amor incondicional, todas sendo possíveis e almejáveis pela natureza que é única dotada de razão: a humana. Foi capaz de mostrar que Sua união hipostática não seria capaz de sublimar o que há de mais divino no humano: incutiu a verdadeira experiência de misericórdia aos sentidos humanos, que são os únicos capazes de contemplar tamanha beleza. Fez-se, portanto, em nós, verdadeiro sentido naquilo que pareceu absurdo aos de Sua época, e que nos trouxe um verdadeiro marco histórico: um homem de Nazaré, filho adotivo de um carpinteiro [castíssimo e dotado de inúmeras virtudes] e de uma jovem moça [repleta da graça de Deus], mostrou como somos semelhantes e o quão amorosos podemos ser quando tomamos por natural alguns atos de humanidade, fraternidade, respeito e valor ao próximo, mesmo que de crenças distintas ou de valores diversos culturalmente.
Sem a menor intensão de vanglória, o Filho Unigênito de Deus, deixou de lado sua natureza divina e demonstrou com veemência o que é o poderio de um Rei com a simplicidade de filho de carpinteiro, capaz de tocar qualquer que seja o coração e causar transtorno e inquietação aos líderes, chefes, doutos, exegetas, intelectuais de todos os lugares, por, simplesmente, ser divinamente humano. É nesse interim que podemos ter a certeza de que não há como não se admirar por haver um Ser que possui tudo em extrema potência, capaz de ser a própria essência da humildade, verdade, benevolência, ética, moral, entre tantos adjetivos maravilhosos, tudo isso por ter sido transbordante em Amor. E, fazendo-o, deu-nos a graça de poder perceber que se fez Amor e, sendo o próprio Amor, incutiu-nos a saudade dessa verdadeira riqueza, divinamente incomensurável e tão perto de nós; verdadeiramente amor, perfeitamente inefável.
Havendo pouco mais que simples gestos, algumas parábolas demasiadamente profundas e uma multidão de seguidores, uns apaixonados e, outros, meros perseguidores, Jesus trouxe a verdadeira arte retórica, a pura essência humana, a simples construção do complexo de Amar e, num sutil e, muitas vezes, incompreendido aforismo régio, definiu abertamente a chave da misericórdia [alcance pleno de Deus] e, portanto, da felicidade Eterna: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. Que haja amor e, contudo, o que vier, nos seja dado por acréscimo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário